Mulher do Mês – Aída dos Santos

aída dos santos biografia e brinde das Pitayas

Ela foi a primeira mulher brasileira a disputar uma final nos jogos olímpicos, vencendo desafios tanto dentro como fora dos ginásios por sua classe social, sua cor e seu gênero. Ela não teve apoio nem da família nem do governo, mas foi um marco na história do esporte brasileiro e uma referência para mulheres atletas. É Aida dos Santos, atleta especialista em salto em altura, que conquistou uma menção honrosa de quarto lugar para o Brasil nas Olimpíadas de Tóquio de 1964.

 

Anos 1950: Medalha não enche barriga

  • Aida dos Santos nasceu em Niterói, em 1937, caçula de seis irmãos, em uma família pobre e negra. Os pais não apoiavam a prática de esportes, pois consideravam que não contribuiria para o sustento da casa. 
  • Depois que Aida descobriu seu talento, contudo, não houve reprimenda que a afastasse dos ginásios. No colégio ela gostava de vôlei, mas uma amiga convenceu-a de testar o atletismo, e de cara ela descobriu a facilidade para o salto em altura. Ela chamou atenção dos técnicos, e na primeira competição estadual já  quebrou um recorde!
  • Em casa, contudo, a família não aceitava. Após a primeira competição que ganhou, Aida apanhou do pai, e ouviu que medalha não enchia barriga. A menina, que estudava de manhã, trabalhava como doméstica à tarde, e treinava à noite, frequentemente passava fome. Quando era atleta do Vasco, Aida não ia aos treinos porque gastava o dinheiro que o clube lhe dava para passagem em comida.

 

Seleção para Tóquio – 1964

  • Aos 27 anos, Aida conquistou o índice olímpico da época, ao saltar a 1,65 metro. Normalmente, quando um atleta atinge esse índice, ele volta para o seu clube para treinar para as próximas Olimpíadas. Mas o Comitê Olímpico Brasileiro a fez repetir a seletiva mais cinco vezes. 
  • Como ela manteve o feito, foi oficialmente convocada, um mês antes do início, para a Olimpíada de Tóquio de 1964. Foi a única mulher em uma delegação de 69 brasileiros.
  • Mesmo assim, o comitê organizador não ofereceu apoio adequado à atleta. Ela não teve acesso a técnico, equipe médica, uniforme, equipamento e nem mesmo sapatilha de salto! Para treinar em Tóquio, ela contou com a ajuda de atletas de outras nacionalidades que se solidarizavam com a situação.

 

A vitória Olímpica – 1964

  • Mesmo com todas essas dificuldades, Aida classificou-se para as finais! E aí surgiu mais um desafio: pouco antes da última etapa da competição, ela torceu o pé. Quem a auxiliou foi um médico da equipe cubana. 
  • E foi com pé torcido que Aida saltou 1,74 metros, dois centímetros a menos do que a marca da ganhadora da medalha de bronze. Aida recebeu menção honrosa de quarto lugar, o melhor resultado de uma mulher brasileira em jogos olímpicos até 1996!
  • Ao voltar para o Brasil, a atleta saiu do anonimato e foi recebida por uma multidão de repórteres querendo entrevistas, e autoridades que lhe ofereceram a entrada triunfal na cidade no carro de bombeiros. Mas a Aida negou tudo. O que ela queria era o apoio quando precisou, não aquela festa da vitória.

 

Atleta, professora e benfeitora

  • No Brasil, ela seguiu treinando e conquistando títulos. Em 1968, ela participou das Olimpíadas novamente, no México, dessa vez pelo Pentatlo, e ficou em 20o lugar.
  • Além de seguir praticando esportes, Aida concluiu três faculdades: de geografia, educação física e pedagogia. Ela ajudou a fundar o curso de educação física da Universidade Federal Fluminense, onde foi professora de 1975 a 1987.
  • Ela também fundou o Instituto Aida dos Santos, que desenvolveu, por mais de 10 anos, ações que visam, por meio do esporte, promover a inclusão social e cidadania de crianças e adolescentes da periferia.
  • Aos seus filhos, Aida sempre incentivou o esporte e o estudo. Sua filha Valeskinha inclusive tornou-se vencedora olímpica de vôlei!

 

As Mulheres em Tóquio 2020

  • A primeira edição dos Jogos Olímpicos da Era Moderna, em Atenas 1896, contou apenas com a participação de homens. Foi em Paris, quatro anos depois, que as atletas puderam competir pela primeira vez (elas eram 2,2% do total).  Essa realidade foi evoluindo ao longo dos anos, e os Jogos Olímpicos de Tóquio 2020, adiados pela pandemia e que acontecerão agora em 2021, terão, percentualmente, o maior número de mulheres da história: 49%! Das 50 modalidades, 8 terão mais homens que mulheres nos Jogos de Tóquio

 

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe oferecer uma melhor experiência de navegação. Ao navegar neste site, você concorda com o uso de cookies.
Open chat